Aqui começa a parte “Mundo Real” de ter um furão no Brasil. O fato é que aqui no Brasil, furões são animais complicados em todos os sentidos:

Um furão não é um brinquedo. É um ser vivo que merece todo o respeito e que deve ser tratado da mesma forma como que você gostaria de ser.

Se você é daquelas pessoas que abandonam um animal porque ele ficou velho, ou doente, ou simplesmente enjoou dele, peço por favor que jamais pense em ter um animal.

Isso não se faz, e um dia, com certeza o Universo te dará o troco.

O objetivo aqui não é desanimar, mas alertar aos donos tutores e futuros tutores sobre ter os pés no chão se for realmente querer ter um furão no Brasil.

Leia com atenção, e depois por favor leia os tópicos:

Claro que o ideal é ler todas as postagens, pois a quantidade de informações de alta qualidade aqui é muito grande.

As dificuldades do Brasil para se ter um furão (ou furões)

1 – A parte do Governo

É proibida a reprodução de furões no Brasil. O governo considera a espécie exótica, não nativa e que pode gerar problemas ambientais, o que é uma tremenda bobagem.

É permitido ter furões no Brasil, desde que sejam importados legalmente ou comprados de um fornecedor com prova de origem legal.

O problema é que embora permita a importação, não garante as mínimas condições necessárias para te-los no país. O processo de importação é complicado, não pode ser feito por pessoas físicas e está limitado a um único fornecedor externo, a Marshall. Pergunto-me por que somente este criador, que é bem polêmico no país de origem, os Estado Unidos.

O país também dificulta bastante a importação de ítens básicos e necessários como alimentos e medicamentos. A melatonina, que é usada no tratamento de doença adrenal, por exemplo, não é regulamentada pela Anvisa e não pode ser importada.

2 – A falta de estrutura veterinária

Não é qualquer veterinário que está capacitado para diagnosticar e atender furões. O número de profissionais com o conhecimento mínimo necessário no país é ínfimo, o que leva muitas vezes a diagnósticos errôneos e consequentemente à morte desses animais.

Consulte antes de pensar em ter um furão, se na sua região existe algum profissional realmente capacitado para atende-los.

3 – O fator econômico

Furões são animais bem caros para se manter. Desde a alimentação, passando pelos tipos de gaiolas necessários (que são bem específicos) e pelo fato de serem animais mais propensos a certos tipos de doenças, o que pode resultar em despesas veterinárias bastante onerosas. Pense bem se você tem condições econômicas para ter furões, pois é muito diferente de ter um cão ou gato


Pensamento

Na versão anterior desse texto eu recomendava a leitura de um artigo que existia no site da PEA mas as páginas foram apagadas. Consegui resgatar o texto do  diário de um furão. O texto é fictício mas serve como um contundente alerta a todos. Prepare-se porque a leitura é pesada e não são coisas agradáveis de serem lidas mas considero obrigatória. Infelizmente é o reflexo do nosso país e de pessoas sem a menor consideração e ética com os animais.

Recomendo cautela ao ler o que o autor desse artigo comenta sobre a Marshall. Existe muita controvérsia sobre isso e embora várias coisas sejam verdade, outras são de conclusão duvidosa, ou seja, a Marshall pode não ser santa mas também não é o monstro que dizem que é. Casos muito mais severos existem por ai, como por exemplo os da Triple F e o DMK.

Há uma boa dose de exagero (bem intensionado) nesses relatos mas não há dúvida alguma de que existem criadores sem ética por aí. Nesses casos cabe a nós denuncia-los às autoridades competentes para que esse tipo de comportamento seja severamente punido.

Recomendo ler o item sobre doença adrenal no tópico Saúde do Furão, que detalha isso.

Leia também esses dois artigos, um no Muralanimal e outro no www.zel.com.br ,  pois são relatos importantes, de experiências pessoais de quem já teve furões no Brasil.

Resumindo, para ter um furão no Brasil, deverá que ser muito consciente e obstinado, pois os problemas a serem enfrentados não são poucos.

No exterior há uma forte tendência a não se comprar mais furões de criadores não eticamente aprovados, e sim um imenso incentivo à adoção, afinal eles merecem e tem todo o direito a ter uma segunda chance na vida.

Somente compre furões de criadores compromissados com a ética e que sabidamente os tratem bem.

Cuidado com a procedência, e se souber de algum criador com más práticas, denuncie para as autoridades locais !

Agradeço a todos a visita e espero que as informações aqui apresentadas sejam úteis.

Comentários serão extremamente bem-vindos.